Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2013

Falhas-Sapiens

É muita diferença igual
É muita gente se achando normal
É muita fumaça sem sinal
E é muita máscara de gente legal

É muito, é tanto, é demasiado e é lotado
Todos esses humanos desse mundo moribundo
É exagerado e excessivo por todos os lados
Cheio de vagabundo em tons de graves e agudos

Sumir

Essa vontade que tenho de ir pra bem longe
Tira-me de meu ser
Essa vontade faz de mim silencio de um monge
E finge me enlouquecer

É a novidade que se torna miragem
É o tédio que pede uma nova viagem
É a falsidade que nos torna selvagem
E é só uma face que te dá coragem

De sumir daqui...

O pra sempre

O pra sempre, é sempre algo daquilo que se lembre
O pra sempre, são as histórisa que estão em sua mente O pra sempre, é a imagem que volta constantemente O pra sempre, é uma saudade eterna e conveniente
O pra sempre, é aquilo em que queremos acreditar O pra sempre, é a crença que nos ensina a voar...

Voracidade

Muitas vezes quero acreditar
E em muitas outras, difamar
Muitas vezes eu prefiro editar
E em muitas outras, eu sei lá

Muitas vezes sim, muitas vezes não
Muitas vezes lobo, muitas vezes leão

Muitas vezes eu até penso no que falar
E em muitas outras, eu falo sem pensar
Muitas vezes perseguir e em muitas caçar
Muitas vezes cobiçar e em muitas finalizar

Muitas vezes sim, muitas vezes não
Muitas vezes lobo, muitas vezes leão

O importante é sentir-se satisfeito
Trato feito com meu direito
O importante é sentir-se satisfeito
Silenciar, enquanto me deito

Muitas vezes presa, muitas vezes sobremesa
E muitas vezes de surpresa... Tchau princesa!

Vinte e Cinco

Sentir-se odiado
Por aquele que ainda diz te amar Sentir-se solitário Com aquele que do seu lado está
Sentir o vazio, o medo e a confusão Sentir o calafrio e uma lacuna na escuridão Ver um sentido no que você nunca viu E ver-se num caminho em que nunca seguiu
Não sente falta de alguém ou ninguém Sente apenas falta de sentir falta Não sente falta de um além ou porém Sente o lapso e colapso da alma
Parece que o mundo parou Mas ele ainda continua girando Parece que o dia não começou E as pessoas continuam andando
Sentir e não sentir e com uma máscara se vestir
É simplesmente fingir, simular, fantasiar-se e ainda sorrir Não é data ou idade, não é sorte ou sinceridade Não é grade ou lealdade, é simplesmente uma continuidade

Está tudo errado...

Está tudo errado...
Com marginais fardados
E sempre ladrões engravatados

Está tudo errado...
Você pagar pra ser batizado
E ver cérebros sendo sugados

Está tudo errado...
Por todos esses lados enfeitados
E todos admirados com o dourado

Está tudo errado...
Onde passos dependem de dados
Que em busca da sorte, são jogados

Está tudo errado...
Esses caminhos mau orientados
Por quem te liberta, o deixando amarrado

Está tudo errado...
E não importa o que eu tenha falado
Não muda, porque estamos acostumados

Está tudo errado...
Se contra essa correnteza eu nado
Me sinto pesado e sou levado junto a esse gado

Está tudo errado...
Não importa o quanto sejamos julgados
E o quanto julgamos, se ainda ficamos parados

Está tudo errado...
Me cegar, sem ainda eu ter me aventurado
E me importar, com o que poucos tem se importado

Está tudo errado...
Preferir, pelo mundo ter viajado
Deixando aqui esses desnaturados e descontrolados

Está tudo errado...
Se em meu espelho eu não tenho olhado
Imperfeição em cert…

A arte moderna é Clássica

A arte moderna é Clássica
Assim como as novidades são Jurássicas
Todas as figuras são a prática
Apáticas que ainda não saíram da gráfica

O que te faz tão normal,
é não seguir seus próprios desejos
O que te faz tão normal,
é não nutrir seus próprios desenhos

O que te faz normal,
é essa moldura bonita, sem abstração
O que te faz normal
é estar parado na parede, sem reação

A arte moderna é Clássica
Assim como muitos, vindos da mesma fábrica

Túrbido

São suas reações robóticas,
Suas respostas automáticas,
Suas previsões paranoicas
E suas correções gramáticas

São suas visões cientificas,
Pioneiras de cobiça e preguiça,
Sem saber quem vai ou fica,
Sendo Ateu de sua mera justiça

Assim acontece, como um belo desenho
Que aparece com alguns traços lentos
Fruto de grande empenho e desempenho
Que aparece em alguma visão no vento

Assim como cria-se o mau, cria-se o bem
Assim como enxerga-se nada, observando o Além

Vociferar

Aclamadas sejam as lanças
Jogadas com muita confiança
Ásperas como nossas lembranças
Na esperança de alguma bonança

Aclamadas sejam as alianças
Não as feita na base de semelhança
Não espelhando fiança em finança
Nem as colocadas em peso de balança

Aclamada de verdade, seja a Paz
E a rara sapiência de como se Faz

Estrutura...

Pode ser a minstura de várias torturas
Alguém que possa abalar sua estrutura
Pode ser uma pintura fora da moldura
E não ser mais a aventura que procura

Independente de que seja ou esteja com frio ou calor
Independente de qual seja o seu sabor, cor ou valor
Independente de que tenha sido um amor ou um temor
Independente de qualquer rumor que falam com vigor

Pode ser a minstura de várias loucuras
Alguém que possa abalar sua estrutura
Ainda assim você vai atras de uma cura
Alguma jura que te salve dessa amargura

Mentira

É porque já houve algo,
Que ainda aparece haver É porque me sinto calmo, Estando próximo a você
É porque ainda me cego Todo dia ao amanhecer É porque me sinto a salvo Todo dia ao escurecer...

Mentira!

Rabiscos e Alma

Tudo o que não inspira, se expirará
E tudo aquilo que inspira, eterno será A arte da criança na parede a aparecer Um ato de esperança ainda a florescer
Rabiscos de Giz no chão Representam o Céu e o Inferno Rabiscos de Giz no chão De um interno artista moderno
Tudo o que não inspira, se expirará E tudo aquilo que inspira, eterno será A arte do maluco num quadro abstrato Um ato exato do ser mais insensato
Rabiscos de Tinta no quadro Representam o verão e o inverno Rabiscos de Tinta no quadro Não alterno, não há folhas de caderno
A sua visão só irá ver O que sua mente cobiça e deseja compreender E sua mente só ira ver O que a consciência decidir que tu deve saber...

Maravilhosa a Arte...

Maravilhosa a Arte...
Que te faz viajar com alguns toques
Que te faz imaginar alguns bosques

Maravilhosa a Arte...
Que te faz viajar com algumas cores
Que te faz imaginar o cheiro das flores

Maravilhosa a Arte...
Que com palavras te leva pra outro mundo
Que te faz esquecer de tudo por alguns segundos

Maravilhosa a Arte...
Que passa como num passe de magicas, e é, é magia
Arte que gera Arte, faz e sempre fará parte de meus Starts

Ao Andar

Adoro meus momentos livres pra pensar
Sem eles eu não no que iria me transformar Nisso eu não quero pensar, adoro essa vida De maluco procurando entradas e saídas
Em idas e vindas...

Casa de Lotus

O silencio da meditação
Não importa a posição Antes que haja explosão Da mente e do coração
A alma em outra dimensão Na amplidão e na reflexão Momento esperado de elevação Evolução e vasta transformação
Casa de Lotus e da ascensão Divisão de provisão e previsão Quero meu silencio em extensão E meus pensamentos em expansão
Só quero meu silencio em extrema extração De toda minha forma de redenção e salvação

Teoria das Nuvens

As nuvens apenas se vão
Seja no inverno ou no verão

Às vezes são apenas levadas pelo vento
E às vezes é só uma garoa no céu cinzento
Também nos deixam chuvas e tempestade
Temporal, vendaval ou algumas fatalidades

Mas elas apenas se vão
Não importa tamanho ou dimensão
Não importa a submissão
Porque há sempre essa tal previsão...

Reflexão

Poucas palavras  E muitos pensamentos Várias cicatrizes Ainda em estancamento
Opiniões, fantasias e Muitas e muitas meditações Idéias em equilíbrio, Ao espirito, ações e orações
Raciocínio clinico, ainda com vícios Em meio a gritos e silêncios típicos...

Desastres Naturais

Voltam as lembranças
Do que não mais, voltará a acontecer Leve como as chamas Do que não mais, voltará a florescer
Passam os furacões Tsunamis e também alguns terremotos Escalas de decepções Desiludem votos de fanáticos devotos
O mundo apocalíptico Sem equilíbrio, líderes ou ditadores O ser menos político De escassas bandeiras e libertadores
E já sem qualquer salvação Explodem uma bomba atômica Natural como a criação Mas não o manuseio da botânica
Qual seja a destruição Das terras ou do coração Qual seja a evolução De quem mereça a infecção
Qual seja a intenção Perdição, inovação ou redenção Qual seja a seleção Natural e insápia transformação

Apenas terá fim...

Mitos

Nos mares a destruição
De um Poseidon sem coração Em todas táticas de guerra E os passos de Ares na Terra
Em todos lamento eterno Zeus no Olimpo, Hades no inferno Crono e Gaia a sofrer E Afrodite e Eros a se perder
Mitos escritos, lidos e relidos Ainda no infinito com todo êxito

Prefácio de Sentença

Se a mente está livre de todas as preocupações Espero que ela não esteja livre das ocupações Com livros, lazer ou arrumando as coisas no lugar Indo onde pode chamar de pousada, morada ou lar
Faça silencio quando não tiver nada a dizer Tente ouvi e pelo menos, algo, compreender!

Ilustração Erudita, Enfatizada

A Teoria foi assassinada pela Experiência
Até que enfim saiu do papel e teve Prudência
Por meio de Escolha, não há mais Dependência
E que seus Planos não se tornem Abstinência

Não deixe de ter um novo Sonho, ou uma Crença
Suas Convicções e Fé em ti, fazem a Diferença...

Uma a Mais

Uma coisa que você sabe a mais
Não te torna o ser mais inteligente
Uma coisa que você tem a mais
Pode até te tornar mais atraente

Mas é apenas uma coisa a mais
Que em presente momento satisfaz
E simplesmente aumenta seu ego
Que meramente pode torná-lo cego

Após um tropeço sorria,
Aprenda com o dia-a-dia!

Lacuna e Universo

Às vezes parece haver um vazio no peito Mas há um Universo Paralelo Cheio de Estrelas, Planetas e Cometas
Às vezes fico tremulo e meio sem jeito Com um dos sorrisos mais belos Cheio de Estrelas, Planetas e Cometas
Olhares me encantam e sempre me encantarão Fazem cortesia a minha inspiração e expiração

Fantasmas

Se lembranças boas te fazem mal
E você não sabe usá-las, apenas deve guardá-las Se lembranças boas te fazem mal Não ouse esquecê-las, há muito que agradecê-las
A queda não faz parte de sua força, seguir em frente sim!

Eterno Adeus

Este é apenas um adeus E a quem será o próximo? Este é apenas um adeus Mas quando será o ultimo?
Cheiro de velas e flores Após a queda, as dores
Não há esperança que você possa voltar Mas há a de que eu possa te reencontrar Talvez em outro lugar ou até em outro luar Em alguma ilha no mar ou uma nuvem no ar
Quando olho para as estrelas Sinto que ainda posso vê-la...

Teatro de Mito e Fato

Não mandamos aos sonhos,
Pessoas que não amamos
E sempre queremos aquelas
De que menos precisamos

Sem palavras,
Lembranças do intenso e de tudo aquilo que penso
Sempre o som,
O som do meu silencio, da minha paz e do bom senso

Traga-me a razão e não mais uma questão
Traga-me alguma decisão ou determinação
Leve-me daqui coração, mente ou espirito
Leve-me desse recinto restrito para o infinito

Talvez a algum desses mitos
Que alguém, em algum lugar tem dito
Talvez ao que seja o incógnito
Que todos, em todo lugar acham esquisito

Distritos descritos
Em alguns manuscritos
Distritos desconhecidos
Ao qual eu não evito

Traga-me a razão e não mais uma questão
Traga-me alguma decisão ou determinação
Leve-me daqui coração, mente ou espirito
Leve-me desse recinto restrito para o infinito

Desenhando

Ideias fixas e olhares atentos,
Inventos lentos ou sedentos.
Sento abaixo de sombra e vento,
Eventos vindos de fora ou de dentro.

Ideias voam em olhares desatentos,
Inventos estupendos ou horrendos.
Sento abaixo de sombra e vento,
Desenho rabiscos sem arrependimento.

Acrescento, não figurante ou degradante,
Mas observações do que está sempre distante.

Entre...

Entre formalidade e sinceridade
Entre agressividade e pacificidade
Entre o pedir e o agradecer
Entre se esquivar e compreender

Entre sem precisar bater
Entre e tente permanecer

Teatro do Dia-a-dia

Tudo o que é difícil de se escolher
Há sempre um certo arrependimento
Não sou dois, mas sim um unico ser
Vencendo a razão ou o sentimento

Perdendo de algum dos lados
Jogando sempre pra frente os dados
Nunca com os olhos fechados
Pra ver onde vão parar os meus paços

Todo dia uma nova partida
Uma corrida a ser vencida

Gotas e Tempestade

Bate uma gota de saudade
Com algumas musicas
E cai uma tempestade
Com imagens únicas

Algumas pessoas que não podem voltar
Algumas que podem e não fazemos nada
O orgulho precisando ser derrotado, destroçado
Estando longe no infinito ou ao meu lado, colado

Começa a trovejar
E a muitos espantar

Os filmes que me fazem lembrar
Deste luar em que não paro de pensar
Para ao menos dormir e sonhar
E no outro dia acordar e assim caminhar

Começa a trovejar
E de tudo se recordar

Incomunicação

Uma estatística da evolução
Cadastro cheio de infecção
Humanidade em perdição
Sem salvação ou redenção

Várias mentes em execução
Extração apenas de produção
Comendo letras da educação
Por imposição sem formação

Informação escondida
E a comunicação perdida